Mercado já caminha, mas a passos lentos

Data: 19 de agosto de 2018

4-20082018-min

Apesar do cenário econômico ainda turbulento, os números do setor no primeiro semestre de 2018 são positivos, porém, ainda estão bem abaixo do se que se esperava. Impactos negativos da greve dos caminhoneiros e indefinição no cenário eleitoral são apontados como fatores que ainda abalam a confiança dos investidores e consumidores.

A economia brasileira ainda não decolou em 2018, como se esperava. O País continua sofrendo para recuperar o fôlego e, com isso, empresas de vários setores vêm se movimentando na tentativa de vencer a crise. É certo que a economia já está dando sinais de retomada, porém, em níveis ainda muito baixos, o que faz com que os empresários prossigam demonstrando muita cautela na hora de investir.

Até o fechamento desta edição, em final de junho, o Governo tinha reduzido a expectativa de crescimento do PIB para 2018, de 2,6% para 1,6%. Para justificar a redução, o Banco Central informou que um dos fatores que obrigaram a revisão foi a paralisação no setor de transporte de cargas, no final de maio, movimento que teve impactos diretos e indiretos na economia.

Por outro lado, apesar do cenário econômico ainda turbulento, os números do setor no primeiro semestre são positivos. Segundo a Fenabrave – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores, os emplacamentos e licenciamentos de veículos tiveram uma alta no acumulado nos seis primeiros meses do ano.

De acordo com a entidade, foram vendidos 1.691.556 veículos no primeiro semestre de 2018, entre automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros. Isso significa crescimento de 12,37% na comparação com o mesmo período do ano passado.

No mês de junho, em comparação a igual período de 2017, foram vendidas 287.721 unidades, uma alta de 3,85%. Em contrapartida, esse resultado comparado ao mês de maio de 2018, percebe-se queda de 2,45%.

Para especialistas do setor, a greve dos caminhoneiros impactou significativamente as vendas do mês de junho e abalou a confiança dos investidores e consumidores. Segundo projeções, esse reflexo ainda poderá ser sentido nos resultados nos próximos meses.

Comerciais leves e caminhões

Os segmentos de automóveis e comerciais leves juntos, registraram, no primeiro semestre, 1.127.217 unidades licenciadas, o que significa crescimento de 13,71% ante o mesmo acumulado de 2017.

Se analisarmos apenas o resultado de junho, foram 195.066 unidades emplacadas, o que representa 3,18% de crescimento em relação a junho do ano passado, e aumento de 0,08% sobre maio deste ano.

No que se refere a caminhões, houve alta de 50,71% no primeiro semestre de 2018 ante mesmo período de 2017, somando 32.338 unidades licenciadas.

Em junho, o mercado recebeu 5.731 caminhões emplacados, um crescimento de 37,14% sobre o mesmo mês de 2017, e aumento de 0,24% em relação a maio de 2018.

Na avaliação de Sérgio Zonta, Vice-Presidente da Fenabrave para os Segmentos de Caminhões e Implementos Rodoviários, houve um expressivo aumento nos níveis de financiamento, principalmente pela oferta dos bancos privados e ligados às montadoras, o que tem contribuído significativamente para esta retomada.

Ele também revelou que, apesar da redução de crescimento do PIB, percebe-se uma queda importante na inadimplência. Portanto, as perspectivas para o segmento continuam positivas, mesmo porque a base de comparação com anos anteriores ainda é muito baixa.

A área de Implementos Rodoviários, um setor que tem também amargado perdas, registrou alta de 79,80% no acumulado do semestre frente a igual período do ano passado, totalizando 20.019 unidades, contra 11.134 unidades de 2017.

Revisão das projeções

Diante dos últimos acontecimentos no País, como a greve dos caminhoneiros e Copa do Mundo, além da indefinição do cenário eleitoral, a Fenabrave revisou, pela segunda vez, as projeções para o Setor da Distribuição de Veículos em 2018.

Considerando os emplacamentos de todos os segmentos somados (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus e implementos, motocicletas, tratores e colheitadeiras), a entidade projeta, para este ano, alta de 9,8% sobre 2017, totalizando 3.420.259 unidades. Anteriormente, a estimativa era de aumento de 13%.
A nova projeção da entidade para os segmentos de Automóveis e Comerciais Leves indica crescimento de 9,7% em 2018, chegando a 2.383.184 unidades. Em março, a entidade estimava que os segmentos cresceriam 15,2% no ano.

Com a revisão das projeções, o segmento de Caminhões deve também registrar alta de 24,8% nos emplacamentos em 2018, atingindo 65.000 unidades. No início do ano, as projeções de crescimento eram de 17%.

Para Implementos Rodoviários, o novo índice de crescimento projetado é de 58,6%, com 40.615 unidades, contra 41% de alta, anteriormente prevista.

Por: Redação Na Boléia

Data: 19 de agosto de 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.