Há 60 anos, era fabricado o primeiro fusca no Brasil

Data: 17 de janeiro de 2019
Volkswagen Sedan 1959

Volkswagen Sedan 1959

O nascimento do 1° Volkswagen Fusca fabricado no Brasil completou 60 anos: em 3 de janeiro de 1959, o primeiro Volkswagen Sedan deixava a linha de produção da Anchieta/SP para conquistar o País. Naquele dia, o Fusca – nome que o modelo adotaria oficialmente anos depois – inaugurava uma nova era da produção em massa na indústria automotiva brasileira – e um legado de histórias incríveis no País.

Na verdade, já em 1950, esses veículos, que eram fabricados na Alemanha, começavam a chegar ao Brasil. Era um automóvel pequeno, com motor traseiro refrigerado a ar e um design totalmente diferente do tradicional à época, quando as ruas eram dominadas por grandes sedãs. Sua capacidade de transportar até cinco pessoas, baixo consumo de combustível e resistência mecânica logo começaram a conquistar consumidores.

O modelo da Volkswagen começou a ser montado no país, com componentes importados, já em 1953, no bairro do Ipiranga, em São Paulo. Mas somente após o início de produção na fábrica Anchieta, em São Bernardo do Campo, em 1959, o Fusca realmente ganharia escala para dominar o mercado nas décadas seguintes.

O dia 3 de janeiro de 1959 foi a data de produção do primeiro Fusca fabricado na Anchieta. Mas o modelo só foi vendido efetivamente quatro dias depois, no dia 7 de janeiro. O comprador? O empresário paulistano Eduardo Andrea Matarazzo, filho do conde Francisco Matarazzo Júnior – e um grande admirador de automóveis e aviões.

Nordhoff, Schultz-Wenk e Kubitschek na inauguração da fábrica

Nordhoff, Schultz-Wenk e Kubitschek na inauguração da fábrica

Na época, o Fusca foi vendido por Cr$ 471.200 em uma concessionária na avenida Santo Amaro, na zona sul de São Paulo. O modelo tinha motor traseiro boxer (cilindros contrapostos) de 1.192 cm3, potência de 36 cv, câmbio de quatro marchas e velocidade máxima de 110 km/h.

O sucesso do Fusca foi tamanho que o modelo ganhou nomes diferentes em mais de 40 países, quase sempre relacionados ao formato de “besouro” ou “corcunda”, além do som característico do motor traseiro boxer. Entre eles, os mais conhecidos são Beetle (Inglaterra e Estados Unidos), Käfer (Alemanha), Maggiolino (Itália), Vocho (México), Coccinelle (França), Escarabajo (Espanha) e Bug (Estados Unidos).

No Brasil, curiosamente, o modelo não foi comparado a um “besouro”. O Volkswagen Sedan ganhou oficialmente o nome “Fusca” em 1983. E não escapou de apelidos como Fuca, Fuqui ou Fusquinha, em diferentes partes do Brasil.

De janeiro a dezembro de 1959 foram emplacadas 8.406 unidades do Fusca produzidas na fábrica Anchieta, um número muito superior aos 2.268 carros vendidos de 1953 a 1957, quando o Fusca vinha da Alemanha para ser montado no bairro do Ipiranga, em São Paulo.

E não demorou para o carro conquistar o Brasil. A partir de 1962, o Fusca já era líder de vendas do mercado brasileiro. Em julho de 1967, a empresa já comemorava 500 mil unidades produzidas no País.

 Linha de montagem na Fábrica Anchieta, fim dos anos 1960


Linha de montagem na Fábrica Anchieta, fim dos anos 1960

Em julho de 1970, chegava ao seu “primeiro milhão”, naquela época então sob o comando de Rudolf Leiding. O auge do Fusca no Brasil foi entre 1972 e 1974. Em 1972, foram comercializadas 223.453 unidades no mercado interno, mais 6.142 exportadas. Em 1974, o recorde: 237.323 unidades produzidas, incluindo exportações. Até hoje, só o Gol conseguiu superar o Fusca em histórico de vendas totais, em 2011.

Em 1986, quando o Fusca parou de ser fabricado pela primeira vez, apenas 33.568 unidades chegaram às ruas. Ao longo de toda a sua história, o Fusca teve mais de 3,1 milhões de unidades vendidas no Brasil. Era hora de pendurar as chuteiras e abrir caminho para o Gol e sua “família BX”! E o Gol quebraria então outro recorde: foi líder de vendas por 27 anos consecutivos.
Muitas pessoas aprenderam a dirigir em um Fusca, especialmente entre os anos de 1950 e 1980. E não podia ser diferente. O Fusca era muito mais fácil e prático de dirigir, em especial para quem estava aprendendo a lidar com volante, pedais e trocas de marcha. Nos anos1950, enquanto o mercado era abastecido basicamente com veículos maiores, o Fusca se mostrou rapidamente uma ótima opção para as autoescolas.

A importância do Fusca para o país é tão grande que o modelo foi homenageado, em janeiro de 1989, com o “Dia Nacional do Fusca”. O evento foi realizado em parceria da Volkswagen com o então Sedan Clube do Brasil, para a realização do “1° Encontro Nacional dos Fuscas”, em São Paulo.

Neste mês, o “Dia Nacional do Fusca” completa 30 anos, prova incontestável do modelo ao longo de décadas de comercialização no mercado brasileiro. Mundialmente, o Dia do Fusca é comemorado em 22 de junho, data em que o Prof. Dr. Ferdinand Porsche assinou o contrato que deu início ao desenvolvimento e fabricação do Sedan, em 1934.

O Fusca foi um fator-chave no desenvolvimento da democracia e da mobilidade na Alemanha do pós-guerra e, subsequentemente, foi acolhido em muitos outros países, atuando como um importante embaixador na promoção de uma imagem positiva para a Alemanha. A produção do Fusca em sua última fábrica, em Puebla, no México, foi descontinuada no final de julho de 2003.

Volkswagen Sedan em testes

Volkswagen Sedan em testes

 Fusca em Brasília

Fusca em Brasília

Fusca "Pé-de-boi" 1965

Fusca “Pé-de-boi” 1965

Fusca de competição

Fusca de competição

Fusca para o Iraque, 1980

Fusca para o Iraque, 1980

VW Fusca 1984

VW Fusca 1984

Fusca "Itamar" 1995

Fusca “Itamar” 1995

Beetle "Final Edition"

Beetle “Final Edition”

Por: Redação Na Boléia

Data: 17 de janeiro de 2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.