Campanha alerta sobre riscos do transporte de cargas contrabandeadas

Data: 08 de julho de 2019
Postado em: HOME SLIDESHOW, Roubo

0108072019-minO Fórum Nacional Contra a Pirataria e a Ilegalidade (FNCP) lançou uma campanha nacional voltada para motoristas de caminhão, que tem como mote ‘Agora é Lei – Evite a apreensão da sua CNH’. O objetivo é alertar a categoria sobre a nova Lei 13.804, que pune o transporte de cargas ilegais, como produtos contrabandeados e pirateados com a perda da habilitação e prisão de até 5 anos.

Edson Vismona, presidente do FNCP, explica que a campanha mostra que o barato pode sair caro. “Muitos profissionais são atraídos pelos criminosos com a promessa de lucros fáceis. Mas agora, quem se aventurar por esse caminho, mesmo que apenas eventualmente, pode até perder o direito de continuar dirigindo. Esse é um risco não só para o motorista, mas pa ra as famílias deles”, afirma Vismona.

A campanha, que será veiculada em outdoors de 18 rodovias brasileiras (nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Paraná), vai até o final de agosto. O projeto também conta com a distribuição de material informativo aos motoristas que passarem por pedágios no Mato Grosso do Sul e no Paraná – duas das principais portas de entradas de produtos ilegais para o Brasil – além de ações em redes sociais, no Waze e no aplicativo Truckpad.

O Brasil registrou prejuízos de R$ 193 bilhões em função do mercado ilegal somente em 2018. Esse valor é a soma das perdas registradas por 13 setores industriais e a estimativa dos impostos que deixaram de ser arrecadados em função do comércio de produtos ilegais. Para se ter ideia do tamanho do problema, somente o contrabando de cigarros (produto campeão da ilegalidade no país) causou perdas de R$ 11,5 bilhões aos cofres públicos no ano passado. No Brasil, 54% de todos os cigarros vendidos são ilegais, contrabandeados do Paraguai.

Por: Redação Na Boléia

Data: 08 de julho de 2019
Postado em: HOME SLIDESHOW, Roubo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.