Na Boléia

Apaixonados por Caminhões

Scania projeta mais crescimento em 2020 em todos os segmentos

Celebrando os bons resultados registrados no ano de 2019, marco de um dos lançamentos mais importantes de sua trajetória – a nova geração de caminhões no Brasil – a Scania espera para 2020 mais crescimento em todos os seus segmentos de atuação.

Disposta a manter-se na liderança no processo de transição para um setor de transporte mais sustentável no País e no mundo, a empresa tem dado continuidade aos investimentos em novos produtos e serviços que estejam alinhados a esse posicionamento global da companhia.

Silvio Munhoz

“O grande diferencial da Scania em 2019 foi o sucesso da Nova Geração de Caminhoes, que comprovou os resultados prometidos: 12% de economia de combustível. Muitos clientes, inclusive, superaram esse percetual”, garante diz Silvio Munhoz, diretor comercial da Scania no Brasil.

Segundo o executivo, somente no ano passado, foram mais mais de 12.000 encomendas de unidades da nova geração. Um dos destaques ficou com R 450, que já em seu primeiro ano teve um desempenho surpreendente. Conforme dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) e do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam), o R 450 teve 5.348 modelos registrados (10,3% de participação nos pesados). “O R 450 está mais rentável do que foi o R 440, com a promessa de 12% de economia de diesel sobre seu antecessor”, acrescenta Munhoz.

O Brasil fechou 2019 também como o maior mercado de caminhões da Scania no mundo. Na faixa de atuação da fabricante (acima de 16t – semipesados e pesados) – foram 12.755 caminhões emplacados (o maior volume dos últimos cinco anos), uma alta de 47,6% em comparação com as 8.643 unidades de 2018.

Segudo a fabricante, a participação de mercado subiu de 16,4% para 17%. As aplicações que mais se destacaram foram para o agronegócio, as cargas gerais e o transporte frigorificado. Com 1.314 unidades, quase o triplo em relação a 2018, o segmento fora de estrada obteve o maior volume dos últimos anos. Já a indústria registrou 74.917 veículos (2019) ante 52.652 (2018).Um aumento de 42,3%.

Nos pesados, como revelou a empresa, o aumento da Scania foi de 57,7% enquanto a categoria cresceu 48,4%. Houve o emplacamento de 12.667 caminhões ante as 8.031 unidades do exercício anterior. A participação subiu de 23,1% para 24,5, como informou a Scania. A indústria computou 51.635 veículos (2019) ante os 34.785 de 2018. Nos semipesados foram 88 unidades emplacadas e participação de 0,4%.

Para 2020, apesar das incertezas que ainda pairam sobre a economia, a Scania acredita que o mercado de caminhões acima de 16 t (semipesados e pesados) deverá crescer entre 10% e 15% na comparação a 2019.

Segundo Munhoz, o agronegócio continuará impulsionando o transporte de cargas, já que se espera mais uma vez uma safra recorde para 2020. “Estamos confiantes no crescimento econômico do País e no aquecimento da atividade industrial. Acreditamos que será mais um ano de sucesso para a Scania”, prevê Munhoz.

Crescimento em serviços

Na parte de serviços, a Scania também registrou crescimento em 2019. Com o lançamento da Nova Geração de Caminhões, no ano passado, a área de Serviços da Scania ampliou o uso da conectividade para garabtir rentabilidade e mais disponibilidade dos veículos, disponibilizando soluções mais eficientes.

Roberto Barral

Roberto Barral, vice-presidente das Operações Comerciais da Scania no Brasil, revelou que atualmente a Scania possui 30 mil veículos conectados, uma alta de 96% sobre 2018. No mundo, são 432 mil veículos.

A empresa oferece duas opções de pacontes: Análise (gratuito por 10 anos) e Desempenho (pago e mais completo). Em 2019, a unidade brasileira teve um grande crescimento dos pacotes Desempenho no ranking mundial. Foram 15.600 veículos usando ao máximo a conectividade, alta de 353% sobre 2018, o que representou 52% de toda frota ativa.

Além disso, dos veículos novos comercialziados em 2019, 60% já saíram da fábrica com programas de manutenção. No ano passado, a Sacnia também registrou crescimento de 48% no portfólio de Programas de Manutenção em comparação com 2018 (de 10.749 para 15.950 veículos).

Destaque também para o programa com planos flexíveis, em que o próprio caminhão avisa quando deve parar, representou 47% do portfólio; em 2018 tinha sido de 29%.

Marcelo Montanha

Marcelo Montanha, novo diretor da área de serviços, revelou que a Scania trabalha com metas de crescimento importantes em serviços para os próximos meses. A projeção da companhia é que 70% dos caminhões novos sejam comercializados com alguma modalidade de PMS inclusa, sendo 80% desse montante com planos flexíveis.

O portfólio de programas de manutenção, segundo ele, também deverá crescer 33%, alcançando 21 mil veículos. Já nos Serviços Conectados, o objetivo será aumentar 50% da frota ativa (para 45 mil veículos), entre caminhões e ônibus.

Investimentos na rede

Para atingir as metas de crescimento e manter a agilidade no atendimento aos clientes, a Scania conta hoje com rede de concessionárias com 151 pontos de atendimento, dos quais 47 ficam dentro da estrutura dos clientes. Neste ano, a rede deve ganhar mais 10 novos pontos de atendimento – sendo três abertos ao público e o restante de Serviços Dedicados (estrutura dentro das instalações do cliente), nos estados do Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pará e São Paulo.

“O objetivo é reestruturar alguns programas para levar mais tecnologia e eficiência aos clientes. A conectividade já mostrou que traz beneícios à gestão da frota e os clientes estão mais maduros e receptivos a esse tipo de produto”, analisa Montanha.

Novos combustíveis

Para liderar a transição para um sistema de transporte sustentável, a Scania também continuará investindo em tecnologias para ampliação de combustíveis mais limpos, mas que também tragam rendimento satisfatório aos clientes na comparação ao diesel. Nesse sentido, a companhia vem trabalhando no desenvolvimento de motores a GNV e a biometano, que já são realidade no País.

A empresa espera superar neste ano o dobro dos pedidos de 2019 na aplicação de gás natural e biometano nos grandes equipamentos consumidores de energia. Recetemente, a companhia fez a demonstração do primeiro caminhão movido a gás no Nordeste – uma parceria com o Grupo HCL e a Solar, a segunda maior fabricante do Sistema Coca-Cola no Brasil.

O modelo em teste é um R 410 6×2. A experimentação, que começou em dezembro, deve durar de três a cinco meses. O veículo está sendo utilizado no transporte de cerca de 30 toneladas de açúcar, com percurso de 200 km diariamente na região de Pernambuco. Segundo informou a Scania, além de Pernambuco, estão sendo realizados vários testes por todo o País com empresas parcerias.

Economia comprovada

Ainda conforme a Scania, o motor a GNV é 15% mais econômico em relação aos motores a diesel. Além disso, de acordo com a fabricante, o novo modelo Scania pode reduzir até 15% as emissões de CO2 se abastecido com GNV e até 90% se utilizado com biometano.

Silvio Munhoz, diretor comercial da Scania, explicou que os modelos movidos a GNV não passaram por uma conversão de combustível. São caminhões concebidos com essa tecnologia, que contam têm garantia de fábrica. “Têm desempenho consistente e força semelhante ao caminhão a diesel. Além de serem 20% mais silenciosos”, afirma.

Em abril, a empresa começa as entregas das encomendas dos caminhões a gás e/ou biometano. “Já estamos recebendo as encomendas desde outubro. É mais um passo em nossa jornada na liderança para um sistema de transporte mais sustentável”, finaliza Munhoz.

Por: Redação Na Boléia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *