Rodízio de pneus: é uma prática sempre recomendada?

Data: 17 de abril de 2018
Postado em: HOME SLIDESHOW, Pneu

Uma prática comum entre os motoristas refere-se ao rodízio de pneus: sempre que notam que os pneus dianteiros estão mais desgastados que os traseiros, a primeira solução adotada é fazer o rodízio. Mas será que essa solução é sempre recomendada?

Confira nas orientações do CESVI Brasil – Centro de Experimentação e Segurança Viária

A maioria dos veículos vendida no mercado brasileiro possui tração dianteira. Por isso, os pneus dianteiros sofrem um arraste maior em relação aos traseiros, resultando também num desgaste maior. Nesse sentido, quando o motorista percebe essa diferença no desgaste, acaba tendo a ideia de mudar os pneus de posição, pensando em compensação.

Na verdade, o rodízio dos pneus só é recomendado para equilibrar o desgaste dos pneus de um veículo que utilize a mesma medida em ambos os eixos – quanto menor for a diferença de desgaste dos pneus entre os eixos, melhor a estabilidade do conjunto. Assim sendo, o certo é fazer o rodízio quando essa diferença não for evidente. Para isso, cada montadora especifica o prazo e a maneira correta de se realizar o rodízio de acordo com o modelo do carro. Ou seja, é muito importante consultar o manual do veículo para obter essas informações antes de qualquer procedimento. E saiba que algumas montadoras nem recomendam o rodízio.

Em outras situações, quando você notar um desgaste excessivo dos pneus dianteiros em relação aos traseiros, em vez de fazer o rodízio, compre pneus novos. E os instale no eixo traseiro. Isso se deve ao fato de que, em situações de emergência, os pneus traseiros são os grandes responsáveis pela estabilidade do veículo, devendo estar em boas condições de uso.
Ao contrário do que se pensa, em uma situação de emergência, desvio brusco ou pouca aderência ao piso, é mais fácil controlar o veículo nos casos de perda de tração na dianteira (se os pneus mais desgastados estiverem lá). Se houver perda de aderência na traseira, como o eixo ali não é possível de direcionar (não há volante), fica muito mais complexo de se recuperar a direção, e o veículo pode rodar.

Caso não haja especificações para o seu veículo sobre o correto rodízio dos pneus, confira um procedimento que pode ser utilizado (mas sempre lembrando que o desgaste dos pneus entre os eixos não pode ser acentuado, e que é preciso respeitar a indicação TWI, que é a indicação na banda de rodagem que regulamenta o desgaste máximo dos pneus em 1,6 milímetro).

 

3-1-170420182

Outras orientações

É recomendado realizar o balanceamento das rodas e o alinhamento dos ângulos da suspensão e direção do veículo dentro dos prazos recomendados pelo fabricante do veículo, ou em casos nos quais se perceba que o veículo está puxando para algum dos lados, ou ainda se está havendo desgaste irregular na banda de rodagem dos pneus.

A correta calibragem dos pneus dentro de sua especificação de pressão também contribui para um tempo de vida útil maior. Essa indicação é informada no manual do veículo ou, em alguns casos, em um adesivo colado na parte interna da tampa do bocal de abastecimento do tanque. Recomenda-se verificar a correta calibragem dos pneus semanalmente, lembrando-se de calibrar o estepe também.

Vale ressaltar que, no momento da compra dos pneus novos, é importante se atentar às especificações de carga máxima e velocidade máxima suportada pelos pneus. Essas indicações são, respectivamente, os números e a letra gravados na lateral do pneu logo após as especificações das dimensões do pneu. Sempre dê preferência para as especificações originais do veículo.
Alguns pneus podem possuir sentido único de rodagem – o que deve ser respeitado em sua montagem no veículo.

Rodízio de pneus

Por: Redação Na Boléia

Data: 17 de abril de 2018
Postado em: HOME SLIDESHOW, Pneu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.