Librelato anuncia novidade para a área frigorífica

Data: 02 de agosto de 2017

3-03082017A Librelato S.A está lançando mais uma novidade no mercado: o Furgão Frigorífico. O equipamento é resultado das pesquisas de mercado da empresa (P&D), que detectaram a demanda por um implemento destinado ao transporte refrigerado. A expectativa é que as vendas sigam num bom ritmo já a partir de setembro, com cerca de 20 unidades comercializadas por mês.

O lançamento da Librelato pode ser acoplado a um caminhão 6×2 ou 6×4, variando o comprimento entre 14,6 metros (28 pallets) ou 15,55 metros (30 pallets). A capacidade de carga também pode variar, dependendo do número de eixos. Entre outros destaques, o modelo conta com processo de injetamento moldado dos painéis laterais, teto e assoalho, tendo um ganho térmico em relação aos demais produtos já existentes no mercado, gerando uma economia de 6%.

Para o representante de vendas da Librelato em Concórdia, Jeson Hassemer, as expectativas de boas vendas são puxadas principalmente pelo fato de o modelo beneficiar diretamente o cliente, que terá um ganho econômico devido ao sistema de isolamento diferenciado. “Nosso principal diferencial é que o material de revestimento térmico do frigorífico passa por um processo de injetamento de poliuretano, de maneira separada em cada painel. Isso proporciona maior eficiência térmica, além de uma melhor vedação do frigorífico”.

O engenheiro Nevio Poletto, ainda cita outras novidades do produto lançado pela Librelato, como reforço interno do quadro traseiro em aço estrutural. “Projetamos um equipamento preparado para suportar as cargas do transporte frigorificado, isolamento elétrico, para evitar corrosão galvânica com o quadro externo em aço inoxidável”, que ressalta, ainda, que o frigorífico tem melhor vedação do teto externo, já que a chapa de fibra de vidro é fixada na injeção do poliuretano.

Os produtos serão fabricados no Oeste, em Concórdia/SC, por meio de uma parceria com a empresa Pavan Indústria de Carrocerias Frigoríficas, pois na região concentra-se cerca de 40% do consumo nacional do produto.

Por: Redação Na Boléia

Data: 02 de agosto de 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.