Na Boléia

Apaixonados por Caminhões

Volvo adere à etiquetagem sobre tecnologias para evitar acidentes

Programa Nacional de Etiquetagem Veicular, em vigor desde 1º de janeiro, institui a publicação, em meio digital, de etiquetas sobre itens de segurança em caminhões.

A iniciativa permite comparar os recursos oferecidos pelos diversos fabricantes e deixa clara a liderança absoluta da Volvo em tecnologias que ajudam a evitar acidentes.

O Programa de Etiquetagem Veicular foi estabelecido pela portaria n.º 374 do Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN), que regulamenta alguns dos requisitos para adesão das montadoras de caminhões ao Programa Rota 2030, ação governamental de incentivo à inovação e desenvolvimento tecnológico na indústria automotiva.

As etiquetas dos caminhões Volvo estão disponíveis junto às fichas técnicas de cada modelo no site da marca – volvotrucks.com.br .

A Etiquetagem Veicular traz informações de desempenho dos veículos considerando atributos de segurança ativa e passiva. O objetivo é auxiliar os transportadores na escolha mais consciente de seus caminhões”, afirma Alexandre Parker, diretor de responsabilidade corporativa e institucional da Volvo.

O compromisso com a segurança faz parte da Volvo e de sua história e está no DNA da marca. Uma preocupação que se evidencia, por exemplo, com a criação do cinto de três pontos, em 1959, e a abertura de sua patente para beneficiar toda a sociedade, com mais de 1 milhão de vidas salvas”, assegura Parker.

App Eu Rodo Seguro

Uma iniciativa do PVST é o App Eu Rodo Seguro, uma parceria da Volvo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF). O aplicativo emite alertas sonoros quando o motorista estiver se aproximando dos trechos de maior risco nas BRs.

Os pontos mais perigosos são atualizados a cada semestre, com base nas estatísticas da PRF.

Ser referência em segurança nos traz a responsabilidade de evoluir sempre. A adesão ao Programa de Etiquetagem Veicular é mais uma oportunidade para destacar nossa liderança nessa área e estimular todo o setor de transportes na mesma direção”, conclui Alexandre Parker.

Por Redação Na Boléia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *