Na Boléia

Apaixonados por Caminhões

Pandemia: montadoras suspendem produção

Com o agravamento da pandemia, algumas montadoras de caminhões anunciaram a suspensão da produção de veículos. A Mercedes-Benz enviou comunicado à imprensa informando a interrupção das atividades produtivas das fábricas de veículos comerciais de São Bernardo do Campo (SP) e Juiz de Fora (MG) no dia 26 de março, com retorno previsto para 5 de abril.

“O nosso intuito, alinhado com o Sindicato dos Metalúrgicos, é contribuir com a redução de circulação de pessoas neste momento crítico no país, administrar a dificuldade de abastecimento de peças e componentes na cadeia de suprimentos, além de atender a antecipação de feriados por parte das autoridades municipais. A partir de 5 de abril, continuando as medidas restritivas para proteção de nossos profissionais, também concederemos férias coletivas para grupos alternados de funcionários produtivos de acordo com o planejamento de nossas fábricas. Assim, teremos um grupo de produção menor mantendo os protocolos de distanciamento, mas continuaremos a atender os nossos clientes com nossos produtos e serviços”, informa a nota à imprensa.

A Rede de Concessionários da marca e suas oficinas permanecerão em funcionamento seguindo todas as medidas preventivas, com exceção daquelas localizadas em estados ou cidades em que há orientação do poder público de interrupção das atividades.

A Volkswagen também paralisou as atividades produtivas no Brasil por causa do avanço da pandemia. A interrupção, que entrará em vigor no dia 24 de março e vai durar 12 dias, vale para todas as suas unidades no país, localizadas nos estados de São Paulo e Paraná.

A companhia explica, em nota à imprensa, que o motivo é o agravamento do número de casos da pandemia e o aumento da taxa de ocupação dos leitos de UTI. “A empresa adota esta medida a fim de preservar a saúde de seus empregados e familiares”, diz o comunicado.

Outra montadora que já suspendeu a maior parte da produção na fábrica de Curitiba/PR, nesta terça-feira, 23/3, foi a Volvo. A empresa informou que as razões da paralisação se devem ao agravamento da pandemia no país, juntamente com a falta de peças, principalmente componentes eletrônicos.

A medida atinge aproximadamente 2 mil funcionários do total de 3,7 mil que trabalham na fábrica da Volvo na capital paranaense e vai durar até o fim deste mês.

Em comunicado, a montadora disse que vai manter “boa parte” do efetivo em atividade, incluindo a linha de montagem de ônibus e uma parte da linha de caminhões – que terá a produção reduzida em 70% -, assim como a distribuição de peças a concessionárias.

Também ontem (22/2) a Scania informou que, após negociação com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, vai paralisar a produção a partir de sexta-feira, 26, até 5 de abril, por causa do agravamento da pandemia. A medida deve atingir a maioria dos 4 mil funcionários da montadora.

Por Redação Na Boléia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *