Na Boléia

Apaixonados por Caminhões

Demanda por frete no Agronegócio cresce 9,5% no acumulado de janeiro a setembro

Segundo o Índice de Fretes e Pedágios Repom (IFPR), a demanda por frete rodoviário no Agronegócio teve incremento de 9,5% ao considerar o acumulado do ano – de janeiro a setembro de 2020.

A Repom, empresa de soluções de gestão e pagamento de despesas para frota própria e terceirizada da Edenred Brasil, traz mensalmente os dados e as análises do período e, ao analisar o mês de setembro com o mesmo período em 2019, foi possível notar um aumento de 4,6% no volume de fretes rodoviários.

Ao considerar a Indústria e o Varejo, houve um incremento de 8,4% nas demandas por frete nos nove meses do ano, reforçando a retomada das atividades econômicas. Ao considerar somente setembro, o crescimento no volume de frete foi de 19,9% frente ao mesmo período do ano passado, figurando como um mês bastante ativo no que se refere a emissões. A expectativa é que este ritmo continue em outubro, período bastante relevante em termos de movimentação de cargas rodoviárias.

O ritmo positivo bastante expressivo da Indústria e do Varejo confirma que a depressão no setor foi superada. A taxa de ritmo diário de setembro superou em 25% o período pré pandemia e comparativamente ao mês de abril, o pior mês do ano em emissões, a recuperação foi de 40 pontos percentuais”, pontua Thomas Gautier, Head de Mercado Rodoviário da Edenred Brasil.

Com relação ao número total de viagens emitidas de janeiro a setembro, o ano de 2018 figurou com 2,41 milhões de viagens, 2019 com 2,71 milhões – um incremento de 12,2% com relação ao ano anterior – e 2020 ficou com 2,94 milhões de viagens emitidas, representando um aumento de 8,6% frente a 2019.

Fluxo aumentou nas rodovias

O IFPR também apresenta o comportamento nas passagens das praças de pedágio em todo o País. O universo analisado no levantamento contabilizou 31 milhões de passagens no período de janeiro a setembro de 2020. O ritmo mensal apresentou queda de 2,7% nos últimos dois meses – agosto e setembro – frente aos dois primeiros meses do ano, período pré pandemia. “O mês de setembro, especificamente, já apresentou ritmo de passagem similar ao período pré pandemia, o que demonstra a retomada da economia do País”, alerta Gautier.

Ao analisar o fluxo de passagens nas principais rodovias do Brasil, nota-se uma grande recuperação ao comparar setembro com o mês de maio, por exemplo – pico da pandemia do coronavírus no País. A rodovia SP – 330 registrou queda de 21% no número de passagens em maio e, setembro, teve incremento de 3,5%, frente aos mesmos meses em 2019. A melhora representa quase 25 pontos percentuais em um cenário de recuperação.

Já a BR – 116 contou com incremento de 37 pontos percentuais na comparação do mesmo período. Maio teve queda de 419% no número de passagens, enquanto o mês de setembro apresentou queda de apenas 3,4% no comparativo com 2019.

Os veículos pesados registraram uma dinâmica de crescimento de 13,8% no fluxo de passagens em setembro, revertendo um cenário de queda vertiginosa registrado em maio, período que apresentou queda de 16,1%.
Com relação aos veículos leves e médios ainda é possível notar um cenário de recuo frente ao período pré pandemia – 8,1% menor em movimentações em setembro. Porém, com queda bem menor do que a observada nos últimos dois meses – que apresentou a média de 15%.

O IFPR é um estudo mensal que atualiza o cenário do frete rodoviário e também das passagens nas praças de pedágios das principais rodovias brasileiras, levantado pela Repom, que intermedia mais de 25 milhões de transações por anos, com mais de 1 milhão de caminhoneiros em sua base.

Por Redação Na Boléia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *