Porto de Santos se consolida como o maior do hemisfério Sul

Data: 30 de janeiro de 2019

1-30012018-minO Porto de Santos completará 127 anos no próximo dia 2 de fevereiro. A data de aniversário marca a atracação do vapor inglês Nasmith, inaugurando os primeiros 260 metros de cais construído. Mas a história do Porto de Santos, no entanto, começou bem antes, ainda no período colonial, quando Braz Cubas teve a ideia de transferir o porto para as águas abrigadas do estuário de Santos, facilitando a defesa contra o ataque de piratas.

Hoje, Santos responde por cerca de 1/3 da balança comercial brasileira com mais de 133 milhões de toneladas operadas no último ano, consolidando sua posição de maior porto do hemisfério sul. “As 133,6 milhões de toneladas operadas ao longo do último ano refletem não apenas um ganho significativo para o setor, mas o indicativo de que o país vem, gradativamente, vencendo o desafio de se reerguer economicamente, algo efetivamente digno de comemoração em mais um aniversário do Porto de Santos”, afirma o diretor de Operações Logísticas, Carlos Poço.

O legado que a construção do Porto ofereceu à cidade é vasto e diverso. Além da geração de emprego e renda, do papel de propulsor da economia nacional, as obras de engenharia desenvolvidas pela Docas não se restringiram a empreendimentos exclusivos de suas demandas.

Além de toda importância para o desenvolvimento econômico, viabilizando o comércio marítimo e do marco que se tornou para a engenharia portuária, a construção do porto representou ainda a solução para o grande problema das epidemias que assolavam a cidade, principalmente em função da insalubridade que a área estuarina representava até o final do século XIX, juntamente com a enorme região de várzea, superada com o projeto de canalização por Saturnino de Brito e com a ação de médicos como Vital Brasil, Emílio Ribas, Carlos Chagas e outros.

Na medida em que avançavam as obras de construção do Porto de Santos, melhoravam as condições sanitárias da cidade. Trata-se, enfim, de uma herança atrelada ao próprio desenvolvimento de toda uma região, garantida em grande parte por realizações de engenharia e promovida por uma visão que extrapolou sua atividade fim, estendendo à cidade de Santos muito de capacidade empreendedora. Certamente, o principal aspecto na relação Porto-Cidade.

O diretor de Relações com o Mercado e Comunidade, José Alfredo de Albuquerque e Silva, destaca que essa relação é, ainda hoje, uma preocupação da Autoridade Portuária. “Além de ser o empreendimento de maior impacto econômico pela importância do negócio portuário e representatividade em termos de receita às administrações municipais e massa salarial na região, o Porto tem também um papel de indutor de projetos e iniciativas de aspecto social, educativo e esportivo, desenvolvido não só pela Codesp como também por outras empresas que atuam no complexo”, afirma o diretor.

Por: Redação Na Boléia

Data: 30 de janeiro de 2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.