Exame toxicológico é obrigatório, mas motoristas ainda resistem

Data: 31 de julho de 2019

1-1-31072019Em vigor desde 2016, a Lei Federal 13.103, que tornou obrigatória a realização do exame toxicológico para emissão e renovação da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) nas categorias C, D e E, e na admissão e desligamento de motoristas contratados pelo regime CLT, pode ser realizado em laboratórios de todo o Brasil e visa garantir a segurança nas estradas brasileiras.

Porém, apesar da obrigatoriedade, muitos caminhoneiros ainda têm resistência em fazer os exames. O problema é que, segundo números do Ministério do Trabalho, um terço dos caminhoneiros utiliza algum tipo de substância para manterem-se acordado por horas e horas.

Outros dados alarmantes vêm da Polícia Rodoviária Federal: em 2017 foram registrados 89.318 acidentes graves nas estradas brasileiras e 48% deles foram provocados por caminhões.

O exame toxicológico de larga janela de detecção é rápido e extremamente eficiente, detectando a presença de metabólitos de drogas psicoativas que se depositam nos fios de cabelo ou pelos, por um período de no mínimo 90 dias,.
Desde que a lei entrou em vigor, houve uma redução de 40% no número de acidentes com veículos pesados.

Para garantir a segurança e a confiabilidade do resultado, todo processo de coleta de cabelos ou pelos é realizada na presença de uma testemunha para garantir um resultado seguro. Quando o exame é feito a partir de cabelos, são necessários cerca de 120 a 150 fios com, no mínimo, 4 cm de comprimento.

Já em casos de coleta de pelos do corpo, é retirada uma quantidade equivalente a uma bola de algodão com 2 cm de diâmetro. São coletadas duas amostras – uma vai para análise e a outra fica armazenada pelo período de 5 anos, caso seja requisitada uma contra prova, no laboratório credenciado pelo Denatran para realização do exame.

“O teste analisa diversas substâncias, entre elas anfetaminas, metanfetaminas, MDMA, MDA, mazindol, femproporex e anfepramona. Além disso, conseguimos identificar também maconha, cocaína e seus principais metabólitos e os opiáceos codeína, morfina e heroína. A legislação exige um prazo de até 15 dias para o resultado, mas estamos preparados para entregar em no máximo 10 dias. Quanto mais rápido liberarmos os resultados o motorista será beneficiado, já que o mesmo depende da CNH para as suas atividades profissionais”, explica o gestor do DB Toxicológico, Jean Haratsaris, empresa que é certificada pelo INMETRO para realização dos exames.

De acordo com números do DB Toxicológico, a cocaína ultrapassou a anfetamina, popularmente conhecida como “rebite”, e é a droga mais utilizada por caminhoneiros. “Com a redução do custo da cocaína ela passou a ser ‘vendida’ em muitos pontos das estradas federais. Hoje, ela é responsável por mais da metade dos exames toxicológicos com resultado positivo. Ela é utilizada pelos caminhoneiros que querem ou precisam se manter acordados por várias horas”, detalha Jean Haratsaris. Caso o resultado do exame seja positivo para qualquer substância ilegal, o motorista terá a CNH suspensa e deverá aguardar três meses para realizar um novo exame.

“Após a realização de um novo toxicológico, a suspensão da carteira pode ser revista caso o resultado seja negativo. Sabemos da importância dos caminhoneiros para o Brasil, e é importante que eles entendam que a lei beneficia a todos visando aumentar a segurança e consequentemente a redução de acidentes em nossas estradas”, destaca Haratsaris.

Por: Redação Na Boléia

Data: 31 de julho de 2019

One thought on “Exame toxicológico é obrigatório, mas motoristas ainda resistem”

  1. Indignado disse:

    Os motoristas resistem pois o exame só provocou danos e prejuizos para eles. Demora nos resultados, perda de carta, falsos positivos, gente que perdeu a carta e processos na justiça. Legal né? Ainda bem que o Bolsonaro vai acabar logo com essa farra de só tirar dinheiro do bolso do povo para coisas como essas. Simuladroes, caixa de pronto socorro, extintor placa nova, só grana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.