Accelo, o leve da Mercedes-Benz, ganha câmbio totalmente automatizado

Data: 05 de junho de 2019

2-2-05062019-minA aplicação de câmbio automatizado em veículos comerciais é uma tendência que vem ganhando cada vez mais força no Brasil nos segmentos de médios e leves. A Mercedes-Benz, percebendo essa demanda do mercado, lançou o Accelo com transmissão automatizada, que, segundo a empresa, traz redução de combustível em operações urbanas e promete um custo operacional total muito mais eficiente para o cliente.

Desde o ano passado, duas unidades do Accelo automatizado – modelos 1016 e 1316 – estão em testes na Jamef, uma das maiores transportadoras do País, especializada em encomendas urgentes de cargas fracionadas (comércio eletrônico, varejista, têxtil, farmacêutico, automotivo e outros). A empresa tem uma parceria de longa data com a Mercedes-Benz. Desde a fundação, há 56 anos, a Jamef vem optando pela marca para compor a maior parte de sua frota. Para se ter ideia, a transportadora ainda mantém em operação uma de duas primeiras aquisições: um caminhão Mercedes-Benz LP 321.

Na frota da empresa, 70% são caminhões Mercedes-Benz. Entre os veículos próprios, mais de 200 são da marca, sendo 100 unidades do Accelo 815, que, segundo Michael Oliveira, diretor de Operações da Jamef, tem sido um caminhão eficiente e versátil para entregas urbanas.

Michael Oliveira, diretor de Operações da Jamef

Michael Oliveira, diretor de Operações da Jamef

Conforme o diretor, os testes têm comprovado os atributos do novo modelo com câmbio automatizado, que vem apresentando bons resultados operacionais.

De acordo com ele, desde o início dos testes, foi possível obter uma melhora no consumo, gerando economia para a operação da transportadora.

Além disso, o diretor destacou aspectos como o conforto e melhor dirigibilidade para o motorista, atributos que foram reforçados pelos colaboradores da empresa (veja os vídeos).

Segundo Michael, a empresa está muito satisfeita com o novo modelo. “As entregas urbanas exigem muito de nossos motoristas, que enfrentam longos congestionamentos e permanecem por horas nas ruas. O novo Accelo vem ao encontro dessa nossa preocupação com a saúde dos motoristas, pois além de ter maior dirigibilidade, apresenta suavidade e precisão na troca de marchas, ou seja, muito mais conforto para quem dirige”, complementa.

A Jamef trabalha com foco em custo por quilômetro para avaliar os gastos operacionais de sua frota própria. De acordo com Juliano Alba, gerente de Tráfego, Frota e Manutenção da Jamef, nesse quesito, o Accelo tem sido excelente, levando em conta a média de consumo de diesel, gasto com manutenção e disponibilidade.

“O Accelo já é um caminhão muito bom para a coleta e entrega urbana. Com a introdução do câmbio automatizado, o modelo superou nossas expectativas. Os caminhões estão sendo testados em várias aplicações e em diversas regiões do País, e, até o momento, entregam o que prometem. Temos obtido um resultado espetacular em termos de custo quilométrico. É um caminhão muito ágil. Destaco também a segurança, fácil manutenção e a disponibilidade dos novos modelos, este último atributo um item extremamente importante, pois não podemos ficar com veículos parados”, destaca Alba.

Economia de combustível

O câmbio automatizado é um item opcional dos modelos Accelo, que continuam também contando com a versão de câmbio manual. O desenvolvimento da transmissão automatizada demandou mais de 200 mil horas de trabalho. Para isso, a Mercedes-Benz firmou parceria com a Eaton, a mesma fornecedora da versão manual do câmbio para o modelo. Equipa o Accelo 815 o modelo Eaton 6106A. Já o 1016 e o 1316 ganharam a versão Eaton 6206A.

Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas e Marketing Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil

Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas e Marketing Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil

São transmissões de seis marchas, com primeira reduzida de 6,20 e última marcha com overdrive 0,78. Segundo a empresa, esta configuração garante facilidade da partida em rampa e altas velocidades operacionais, tornando os caminhões aptos para trafegarem no intenso tráfego urbano, bem como em rodovias.

“Neste desenvolvimento da transmissão oferecemos a combinação do câmbio mecânico com acionamento automatizado das trocas de marchas, sem pedal de embreagem. A grande vantagem disso é a otimização do consumo de combustível, pois o câmbio consegue minimizar as diferenças de condução entre os motoristas, fazendo com que a média de consumo da frota melhore significativamente”, explica Marcos Andrade, gerente de produtos da Mercedes-Benz.

No caso do Accelo, a redução de consumo de combustível pode atingir até 3% em operações urbanas. Segundo Andrade, existem clientes que obtiveram economia de até 10%.
“O câmbio automatizado é hoje uma solução eficiente para os caminhões que circulam nas cidades, devido às trocas de marchas constantes, proporcionando mais tranquilidade e segurança ao motorista”, completa o gerente.

Outra vantagem, segundo a fabricante, é que com o câmbio automatizado consegue-se prolongar a vida útil da embreagem em pelo menos duas vezes, o que reflete no custo de manutenção e de operação do veículo.

A Mercedes-Benz oferece dois modos de condução: função Eco (mais econômica) e Power (para situações de subidas/serras e ultrapassagens). A tecnologia também tem sistema que reconhece a inclinação da pista e a carga do veículo, realizando a troca de marcha de forma mais correta e adequada de acordo com as condições de pista e do veículo.

O preço da versão com transmissão automatizada é em torno de R$ 5 mil maior, se comparado ao do modelo mecânico, mas, conforme a Mercedes-Benz, os benefícios gerados por essa tecnologia compensam de longe o investimento. Tanto que a Jamef está estudando a aquisição de outras unidades com câmbio automatizado. No próximo ano, a empresa também revelou que pretende realizar uma grande renovação da frota para distribuição urbana.

Inovações do Accelo

Nos últimos dois anos, o Accelo ganhou mais de 15 inovações. A preocupação da fabricante é oferecer um veículo com conforto similar ao de um carro de passeio. Nesse aspecto, destaque para a cabine estendida, que conta com 180 mm a mais de espaço na parte interior, garantindo mais bem-estar e produtividade do motorista.

O prolongamento de 180 mm da cabina também permitiu a instalação de três porta-objetos atrás dos bancos, obtendo um ganho de volume de 32 litros.

Outras novidades foram a nova posição do banco do motorista, recuada em 25 mm e com ajuste longitudinal de 210 mm, que proporciona mais espaço para as pernas, e a regulagem do encosto, que foi aumentada para 25 graus. Tudo isso se traduz em melhor ergonomia, principalmente para pessoas de maior estatura.

O banco pneumático, que é oferecido como opcional na versão com cabina estendida, também agradou os clientes, segundo a empresa. Com várias regulagens, traz suspensão que absorve as irregularidades da via, oferecendo também conforto e ergonomia.

O motor é o Mercedes-Benz OM 924 LA de 4,8 litros, o mesmo utilizado nos semipesados Atego de 17 ton. O Accelo 1016 e o 1316 têm torque de até 610 Nm, 10% a mais que seus principais concorrentes, como informou a fabricante.

“Essas inovações foram implementadas a partir de pesquisas com os clientes dentro do conceito ‘As estradas falam. A Mercedes-Benz ouve’. O Accelo é a primeira linha de caminhões leves e médios a entregar o câmbio automatizado no mercado brasileiro. Além disso, somos a única marca a oferecer câmbio automatizado para toda a linha de caminhões, reforçando a nossa liderança em tecnologia no País”, diz Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas e Marketing Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil.

Segundo Leoncini, outra preocupação da empresa foi garantir mais autonomia durante as viagens, mesmo em centros urbanos. Para isso, a nova versão conta com tanque adicional de combustível de 150 litros, elevando para 300 litros a capacidade total do caminhão, o que garante autonomia de 1.500 a 2.500 km, possibilitando melhor planejamento de paradas para abastecimento.
Com o novo Accelo, a Mercedes-Benz prevê um crescimento de 10% em três anos, partindo de 15% em 2019. “Nossa expectativa é de que até 2022, 25% de nossa linha Accelo seja automatizada”, revelou Leoncini.

Em 2019 – de janeiro a abril –, segundo dados da fabricante, foram emplacados 1.270 caminhões leves Accelo 815 e 1016, o que representa aproximadamente 36% de participação de mercado.
Neste ano, além da Jamef, a Mercedes-Benz está programando novos testes com o Accelo em operações reais de clientes. A empresa também apresentará o leve Accelo 1016 com câmbio totalmente automatizado aos clientes da região Sul durante a TranspoSul, uma das maiores feiras de transporte e logística do País, que será realizada até 7 de junho, em Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha.

Versão de entrada

Os segmentos de médios e leves são extremamente competitivos no Brasil. Para aumentar sua participação, conquistando, inclusive clientes do Cargo 816 da Ford – montadora que está encerrando sua operação de caminhões –, um veículo que no primeiro trimestre do ano foi o terceiro mais vendido, segundo números recentes do mercado, a Mercedes-Benz incrementou o portfólio do Accelo, lançando uma nova versão de entrada, com cabina curta, coluna de direção fixa, banco do motorista estático e fixo para os dois acompanhantes. Essa configuração é válida para os três modelos da linha: os leves 815 e 1016 e o médio 1316.

“A ideia é fortalecer nossa participação em vendas governamentais e licitações com esta versão de entrada. O modelo conta com itens básicos, mas permite que os clientes configurem seu caminhão de acordo com suas necessidades”, comenta.

O valor deste caminhão ainda não foi definido pela fabricante, mas, segundo Leoncini, terá um preço competitivo em comparação ao do concorrente.

Tecnologia de ponta

Fundada em 1963, a Jamef realiza três milhões de entregas por ano, movimentado 12 milhões de volumes anualmente. A empresa tem 30 filiais em todo o Brasil, mantendo uma frota rodoviária 100% rastreada via satélite e com parcerias no transporte aéreo, atuando assim em todo o território nacional. Os veículos da Jamef são monitorados em tempo real, garantindo controle absoluto da operação.

Para suportar a demanda e assegurar a entrega de encomendas urgentes dentro do prazo prometido aos seus clientes, a transportadora tem investido em tecnologias de ponta. Uma delas foi a implementação do Detector de Fadiga dentro das cabinas dos caminhões, com câmeras e algoritmos de inteligência artificial e conexão 4G, que permite controlar o comportamento do motorista e detectar sono e cansaço em tempo real, além de outras ocorrências. Assim, a qualquer sinal de cansaço, uma central orienta o motorista, sugerindo a parada. Isso traz melhorias operacionais e, principalmente, garante mais segurança ao motorista.

Outra novidade recente foi a Automação Operacional com Sorter, uma tecnologia implantada na unidade de Barueri/SP, que assegura ainda mais agilidade, pontualidade e segurança durante todo o processo operacional. O sistema automatizado de distribuição de encomendas contribui para padronizar os processos de carga e descarga e dar ainda mais velocidade e exatidão na roteirização das entregas e viagens, durante as transferências das cargas. O sistema permite a aferição das caixas, como peso e suas dimensões, gerando informações precisas.

Tracking on time é outra solução de inteligência artificial que aprende os roteiros, condições de trânsito e tempo de parada nos clientes, ampliando a produtividade das entregas e antecipando informações em tempo real para o solicitante, do que foi realizado, e uma prévia do que irá ocorrer.

Já o App Jamef Rastreamento é uma exclusividade para o cliente, que pode consultar onde está a encomenda, utilizando, para isso, dispositivos móveis que facilitam e agilizam os processos.

Com todas essas inovações, a Jamef conseguiu ampliar sua capacidade de movimentação de volumes de 30 mil para 100 mil. Nos próximos anos, a empresa espera crescimento de mercado da ordem de 15% a 20%.

Veja depoimento da motorista Daniela, da Jamef, sobre o Accelo automatizado:



Vídeo com depoimento do motorista da Jamef, Fábio Silva, a respeito do Accelo com câmbio automatizado:



Por: Redação Na Boléia

Data: 05 de junho de 2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.